Last Updated:
https://pxhere.com/en/photo/1112221

Futebol e batoteiros... por opção, porque querem.

Paulo Laureano
Paulo Laureano Futebol
Há clubes que usam intimidação e violência para ganhar vantagem sobre os adversários. O exemplo do Futebol Clube do Porto é só um exemplo recente de uma prática com muidas décadas. 
 
 
Na “justiça desportiva” (liga e federação) é tudo inconsequente… a minha duvida é o que aconteceria se os jogadores agredidos por assistentes metessem processos crime individuais a cada um e à entidade que os contratou…
 
Ir a tribunal, pagar advogados, perder dias de trabalho. Tudo isso deve “custar” dinheiro, e eu apostaria que custará substancialmente mais a pagar essas contas aos javardos que o Porto mete no estádio de coletes azuis que aos jogadores. Eu iria até às últimas consequências, um a um, de julgamento em julgamento.
 
Os tribunais comuns são um castigo, independente dos veredictos. Seguramente perturbam a vida de quem não tem o dinheiro para “dançar esse tango”. Podes deixar os chefes da mafia local impunes, mas seguramente penalizam-se os idiotas que se deixam entusiasmar pelo vale-tudo. Acabar com a total impunidade é importante.
 
Sobre o "Canelas":
 
Há quarenta anos que usam este tipo de tácticas para tentar ganhar vantagem sobre adversários fora do campo. A diferença entre o Porto e o Canelas é a dimensão. As atitudes são as mesmas, e alguns dos protagonistas também. Não é por acaso.
O que se passa em campo é outro filme. Nos quais não há inocentes. Aí sim, são questões de justiça desportiva. A tal que não funciona, fundamentalmente porque os clubes não querem. E não querem mesmo.
 
 

Fitas, simulações, tudo para enganar árbitros

 
Se quisessem acabar com a palhaçada das fitas, bastava suspender jogadores por 12 meses cada vez que simulam uma falta ou lesão, por conduta anti-desportiva, e irradiação por reincidência, acompanhada por perda de uma dúzia de pontos na secretaria e descida de divisão para reincidência. Não haveria um único caso de alguém a tentar enganar um arbitro. Nenhum jogador deixaria de correr para o arbitro a explicar que não tem “dodói” nenhum em caso de duvida. Até iam parecer homenzinhos e gente séria. Rapidamente se tinha um futebol muito diferente. Basta quererem e de um dia para o outro nunca mais se via um único caso. A questão é que não querem.
 
 
Os erros de árbitros grosseiros também acabariam instantaneamente. Ó “Taremi” o Coates fez falta ou foste tu que o pisaste? Resposta errada é o fim da carreira e do campeonato para o clube… acho que nem é preciso video-árbitro, segue jogo, se mentiu, pode experimentar carreira alternativa em outra profissão qualquer, e o clube perde os pontinhos suficientes para que seja impraticável ganhar seja o que for nesse ano.
 
Francamente acho que a palhaçada, aldrabice e batotice existem porque vende. Porque vende jornais. Porque dá audiência.
 
Antes que me digam que isto são medidas muito duras; não, não são. Estão em linha com o que acontece a batoteiros que usem doping por exemplo. Desde as suspensões à irradiação por reincidência. O mesmo para a perda de trofeus à posteriori. Tens centenas de exemplos fora do mundo do futebol. É mesmo só não se querer resolver e querer viver com mentiras.
 
Exemplos:
 
 

40 anos de corrupção precisam de ser respeitados???

 
Estão maluquinhos? Isso é como dizer que devemos respeitar o Pablo Escobar, que durante muitos anos foi o melhor empresário da história da Colombia. 
 
A palhaçada de que é preciso “respeitar” o FC Porto e o seu presidente, o mais titulado, com 40 anos de actividade. Não, não é. Não quando alguns desses títulos são pagos com corrupção de árbitros e prostituição. Todos podem ouvir as gravações. Podemos fazer de conta que não aconteceu, esquecer o que sabemos todos que aconteceu, mas se é isso que vamos fazer convém não invocar esse passado.
 
Isto é o actual presidente da liga de clubes:
 
Mas há mais...
 
O futebol é o que é por opção. É um jogo desenhado para beneficiar batoteiros, em que a verdade desportiva fica em segundo plano. No atletismo, ciclismo, retiram-se títulos a batoteiros. Irradiam-se e suspendem-se batoteiros durante anos. No futebol não. É o que é. Porque querem que assim seja.
 
 
Eu, manifestamente, convivo mal com aldrabões, vigaristas e mafiosos. É mesmo um problema meu, o resto do mundo aparentemente gosta.
 
. . .
 

Recebi feedback!

 
 
A que quero responder:
 
- Se o Sporting tiver um milhão de pessoas presas e irradiadas por corrupção, comportamentos anti-desportivos e afins, é para o lado que eu durmo melhor.  Não sou sócio. Sou adepto. Não quero nenhum regime de excepção. Só me envergonharia se o visse. Eu garantidamente critico tudo o que vejo no Sporting (sigam-me nas redes sociais e vejam ao vivo e a cores, se quiserem confirmar e acompanhar). Não estou a defender o Sporting, nem acho que tenham direito a nenhum "freepass", muito menos com argumentos estupidos tipo porque "os outros fazem". 
 
- Há certamente imensas histórias de e-mails e padres escolhidos do Benfica, casos relacionados com o Sporting, etc. Assumo já que possam ser  todos igualmente corruptos potencialmente. Os exemplos que dei do Porto são casos apenas ilustrativos. Aceito incondicionalmente o argumento que todos devem ser exemplarmente investigados e punidos até ao limite da lei. 
 
- Este é o meu blog, não sou jornalista, não sou investigador da PJ, estes são os videos que encontrei no youtube em poucos minutos de pesquisa que fiz para ilustrar o texto. SENSACIONAL se tiverem os equivalentes para os outros clubes. Publiquem e divulguem! O que é mesmo importante é que todos tenham a percepção dos crimes, e idealmente que os criminosos sejam punidos. Sempre. Todos. Sem excepções.
 
- Ganhar a qualquer custo não me interessa. Ser do Sporting deve dar alguma pista sobre isso de ganhar não ser "a prioridade". Se fosse a minha escolha como adepto seria vagamente idiota. Seria para aí do Bayern de Munique, ou em outros tempos do Real Madrid ou Barcelona. 
 
- Eu não ganho nada quando o Sporting ganha. Não perco nada quando o Sporting perde. Não jogo no Sporting. Essa "vitória por proximidade" é algo com que nao me identifico de todo. Gosto que eles ganhem, não gosto que eles percam ou empatem. ELES. Eu não ganho, perco ou empato coisa nenhuma, porque não jogo. 
 
- Os adeptos dos clubes não são cumplices das trafulhices. Não devem branquear as aldrabices e batotas. Denunciem. Se vos custa denunciar a do vosso clube, denunciem as dos outros. Mas não aceitem, não se calem, chamem os bois pelos nomes.
 
- Ganhar dentro do campo, sem aldrabices, sabe infinitamente melhor que ganhar com expulsões encomendadas e pagas com prostitutas. Distingam as duas. Parabéns pelas grandes vitórias do Futebol Clube do Porto quando não houve batotas, quando foram enormes e jogaram mais que os adversários. Tantas vezes torci por eles. É que eu gosto mesmo de futebol, e não tenho problema nenhum em apreciar boas equipas. Infelizmente este mar de porcaria torna complicado perceber, em alguns momentos, onde acaba o mérito e começa a bandidagem.
 
- O argumento de resposta porque o "nosso" clube, ou um dos jogadores/funcionários/presidentes fez isto (ou aquilo), nunca é "mas os outros fizeram acoloutro". Temos 12 anos??? A sério que se o idiota do lado tiver feito a mesma coisa, ou pior, isso iliba de alguma forma comportamentos deploráveis de alguém? É ver adultos a agir como crianças no recreio da escola primária quando são repreendidos pelo professor. Tenham lá algum bom senso, ou cresçam para lá da mentalidade de pré-adolescentes. Só mesmo o futebol para trazer de volta a criança parvinha que ainda mora em cada um de nós...
 
- Não sei porque perco tanto tempo a explicar o óbvio...